A relação amorosa




A relação amorosa não é apenas a relação que estabelecemos com o ser amado. É a relação connosco, com cada outro, com a vida e com cada elemento do cosmos.

A relação amorosa é a vivência da amorosidade, o estado de viver em amor, com partilha, recebendo e dando, amando, estando imbuído do espírito do amor, bafejado por ele.


Aprender a amar e a deixarmo-nos encantar com cada pequena manifestação dos deuses e das deusas aqui na terra, elevando-nos, assim, a planos superiores de conexão e consciência.


Com a observação e interação com as crianças podemos (re)aprender este estado livre de amor, este encantamento que tantas vezes deixamos que os nossos quotidianos nos roubem.


Muitas pessoas querem encontrar um ser amado a quem dedicar a vida e esquecem-se que são possíveis tantas formas de amor, de ligação, de conexão. É verdade que o amor a dois revela dimensões de nós muito especiais e profundas, mas quem "está só" pode compreender que o amor está disponível se o quisermos ver e sentir.


São particularmente ricos ou podem sê-lo os períodos da nossa vida em que estamos sós se assim os quisermos viver, sem cair na tristeza, na mágoa, no isolamento, ...estar só é uma oportunidade de olhar o mundo de forma mais pura, em maior silenciamento e sem a interferência do olhar do outro.


Não faço o elogio do estar só. Além de que é mais fácil dizer coisas quando se está numa relação. Mas importa que se compreenda que viver "sem outra pessoa" não é o fim do mundo. Temos que estar o mais completos possível, ser completos. Ninguém nos completará se formos incompletos. Poderão complementar mas não completar. Duas pessoas incompletas não originam uma relação completa.


Quando se vive no vazio o outro não o preencherá. Poderá apenas tornar esse vazio mais consciente. E assim se seguirão várias tentativas infrutíferas de sentir o que não se consegue sentir enquanto não compreendermos que é essencial fazer o longo e nem sempre fácil tpc do auto-conhecimento.


Relaciona-te amorosamente contigo, ama-te, apaixona-te por ti, encanta-te contigo (não falo do encantamento do narcíciso).


Descobre a tua luzinha interna. E a partir daí é mais provável que surjam na tua vida uma ou várias luzinhas.


Se queres descobrir mais, inscreve-te na oficina terapêutica "A relação amorosa" que acontecerá no dia 22 de maio via zoom. Vê mais no site.